Imaginar, criar, inovar e realizar

O professor Antonio Carlindo apresentou o seu trabalho em Buenos Aires e vamos aqui compartilhar um pouco sobre o mesmo.

Ao longo da experiência de docência, me deparei com o desafio de desenvolver o caminho mais adequado para acessar o ambiente da criatividade e da inovação. Este desafio leva a pensar sobre a integração dos seguintes ambientes: universidade, empresa, alunos, consumidores, empreendedores e pesquisa e desenvolvimento.  Questões como por que o processo criativo é o caminho que desenvolve a autonomia? Qual o melhor jeito de usar a criatividade e melhorar o desempenho da formação universitária e profissional?

O objetivo desta proposta foi apresentar a transformação dos conhecimentos aprendidos em alicerces para aplicação prática no mundo pessoal e profissional dos alunos de design na área de criatividade e inovação.

Inicialmente é preciso ativar as funções do cérebro, da mente e da consciência para acessar as sensações, os sentimentos, a intuição e a representação do pensamento de maneira que a percepção e criação do imaginal, isto é, do mundo dos arquétipos, ícones, símbolos, etc. E do mundo do imaginário, o que é produzido “no aqui e agora” estejam integrados e ao mesmo tempo descriminados. Esta diferenciação é muito importante, pois situa o aluno rumo à maturidade e no processo de autonomia e autoria.

Usar a criatividade para melhorar o desempenho

O trabalho sugere processar uma cultura de inovação.  Para tanto, educar a imaginação torna-se necessária, pois é a fonte da criatividade. É trazer a mente algo que ainda não está disponível e precisa ser captado pelos sentidos. Já a criatividade coloca a imaginação para trabalhar. De acordo com as pesquisas sobre o processo criativo, a habilidade mais importante, que separa os inovadores dos profissionais não criativos, é a associação: a capacidade de conexão de diversos campos aparentemente sem relação.

Unidades do plano de trabalho

O propósito é tornar a sala de aula um evento de exploração criativa para novas ideias, novos produtos, serviços e modelos de negócios.

Algumas categorias e competências de ensino, que venho experimentando me levam a acreditar em possibilidades de aprendizagem que proporcionam um caminho para o desenvolvimento do processo criativo, alguns exemplos:

  • Modificar o pensamento
  • Educar a imaginação
  • Aprender a invocar imagens
  • Relacionar abstração com concretude
  • Aprender a fazer empatia
  • Pensar de modo dimensional
  • Brincar
  • Saber transformar conhecimentos em atitudes

Os seguintes fatores do processo criativo são iniciados e trabalhados para que seja ampliado o potencial criativo. São eles:

  • Fatores cognitivos – inteligências, conhecimento e experiências.
  • Fatores conativos – estilos, personalidade e motivação.
  • Fatores emocionais – padrões, apegos e afetos.
  • Fatores ambientais – natureza, pessoal, profissional e social.
Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s